20 de abr de 2011

PÁSCOA: TEMPO DE AMAR


João 12:3   3 Então, Maria, tomando uma libra de bálsamo de nardo puro, mui precioso, ungiu os pés de Jesus e os enxugou com os seus cabelos; e encheu-se toda a casa com o perfume do bálsamo.

 Por Edvaldo Beranger


A Páscoa é uma época maravilhosa para revermos o nosso amor. Deus nos amou em grau infinito,  e como tem sido a nossa gratidão? Gostaria neste editorial falar sobre AMOR.
Minha primeira reflexão será sobre a Maria, irmã de Marta e de Lázaro, por que ela demonstrou um amor por Jesus que muitas vezes nós não vemos. O texto diz que ela tomou algo muito precioso para derramar aos pés de Jesus. Poderíamos perguntar: o que nós faríamos para demonstrar amor a Deus?
É interessante notar que no N.T. não existe uma só atitude  necessária para a nossa salvação. Sim, não há nada que você possa fazer para ser salvo e desta forma qualquer atitude para Deus ou para o próximo (para a salvação) é totalmente irrelevante. Todas as “boas obras” são feitas porque Deus de antemão (antes do tempo) pois, “somos feitura dEle , criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus de antemão, preparou para que andássemos nelas.” Isto é maravilhoso, mas o que o Cristão deve fazer: Você já notou que Jesus fez tudo por nós? Esse evangelho que prega, Jesus fez, mas agora é com você não é o evangelho da cruz. Isto é chamado de semi-pelagianismo em que prega que Deus faz uma parte e você precisa fazer a sua.
Quero mostrar que o único mandamento que Jesus deixou para os seus discípulos foi:  “Novo mandamento eu vos dou: que vos ameis uns aos outros assim como eu vos amei.”  Jo  13:34. Não existe nenhuma exortação e mandamento bíblico que não esteja dentro deste mandamento.
Nas Escrituras, podemos ver que Deus não quer sacrifício de ninguém. Se você é do tipo que pensa que usar certas roupas, vir a igreja, cantar, pregar na rua e coisas tais como estas são um sacrifício, é melhor você rever o seu evangelho. Este não é o Evangelho da cruz, mas outro evangelho que pode ser considerado maldito. Alguém poderia perguntar, então  eu não preciso fazer nada? Claro que pode, ame como Jesus te amou! Pregue como Jesus  pregou, fale como Jesus falou, visite como Jesus visitou, ande duas milhas como Jesus andou, viva como Jesus viveu e morra (para si mesmo) como Ele morreu literalmente por nós os ímpios.   
O mandamento de Jesus é a prova de que: 1) Somos salvos não porque fazemos, mas por causa daquEle que fez; 2) Somos seus discípulos – “sereis meus discípulos se tiverdes amor uns pelos outros.” Jo 13:35;  3) Estamos no caminho certo, “eu sou o caminho...” Jo 14:6ª. Sabe por que Maria derramou aquele perfume nos pés de Jesus, por causa do seu amor, sim, quando fazemos assim, não é mais um sacrifício, mas um gesto de gratidão por causa do grande amor que Ele nos mostrou. Nesta Páscoa, vamos amar?

Pr. Ede

16 de abr de 2011

Compromisso Missionário




Por Renato Vargens

Certa vez um irmão em Cristo compartilhou comigo dizendo: Fulano virou missionário pois não tinha competência para conduzir uma igreja. Em uma outra ocasião um pastor amigo afirmou que na sua percepção as mulheres vocacionadas ao ministério que não se casam, não possuem outra opção na vida a não ser virarem missionárias.

Pois é, parece que parte da igreja evangélica brasileira considera o trabalho missionário, como inferior. Isto se percebe nitidamente na forma de tratamento que o missionário recebe, isto sem falar é claro, nos baixos salários que lhes são pagos.

O descaso com que algumas igrejas tratam os seus missionários é impressionante. Basta a crise bater a porta que a primeira coisa a ser cortada é o salário do obreiro. Lamentavelmente nas reuniões de ministério, conselhos, ou assembléia, volta e meia aparece alguém dizendo: “pra que mandar esse dinheiro todo para o missionário? Não temos condições! Nossas contas estão elevadíssimas, precisamos cortar gastos.”

Caro leitor vamos combinar uma coisa? Além de pagar mal (porque missionários na maioria das vezes recebem esmolas e não salários) a igreja ao enfrentar uma crise financeira quer diminuir o salário do missionário? Por favor responda sinceramente: Seria isto justo? Por acaso o missionário não tem contas à pagar? Não possui aluguel, não tem que comprar alimentos, pagar a escola dos filhos, vestir-se, comprar remédios?

Pois é, o problema é que boa parte da igreja tá se lixando para os missionários e suas missões. Infelizmente, não são poucos que diante da falta de recursos por parte da igreja são obrigados a desisitir dos seus projetos, retornando ao país de origem.

Prezado amigo, assusta-me o fato em saber que a Igreja de Jesus gasta milhões de reais anualmente embelezando seus templos enquanto quase nada se faz em prol do trabalho missionário. Para piorar a situação, em nome de uma visão megalomaniaca pastores investem os recursos do Reino comprando carros, helicopteros e aviões, cujo benefício é nada mais , nada menos do que o seu próprio bem estar.

Não me admiro em saber que no mundo inteiro a tarefa da Grande Comissão ainda esteja por se realizar! Cerca de 90% do dinheiro arrecadado na igreja é investido na própria igreja, sete por cento em iniciativas evangelísticas onde o evangelho já foi pregado antes, e apenas três por cento em iniciativas missionárias para aqueles povos que nunca ouviram o evangelho.

Isto posto, penso que a Igreja de Cristo precisa rever seus conceitos quanto ao seu investimento no trabalho missionário. Em minha caminhada pelo mundo, tenho conhecido gente santa e compromissada com o Evangelho da Salvação Eterna, e que por amor ao Pai, saíram de seus países , indo para a Amazônia, Africa, Ásia, Peru, Haiti e centenas de outros lugares mais, cuja paixão é o de anunciar o Desejado das nações.

Diante disto, afirmo sem titubeios que pessoas deste quilate , não devem ser tratadas com desprezo e indiferença, antes pelo contrário, devem receber por parte da igreja brasileira todo apoio possivel, o que inclui investimento financeiro.

Pense nisso!

13 de abr de 2011

Série na Palavra: Qual a sua sabedoria?


Por Lucas Amaral



Estava meditando sobre o texto da carta de Tiago 3.13-18 e me deparei com um paradoxo interessante.
Tiago ao longo do desenvolvimento do capítulo 3 fala sobre a questão das boas obras, e nossa vida estar em conformidade com nossa pregação.
Nos versos 13-18 o autor demonstra a diferença daquele que se considera muito sábio entre o que detém a verdadeira sabedoria.
Tiago instrui que os verdadeiramente sábios devem demonstrar com suas atitudes em obras de mansidão (v.13),
Contudo no verso 14 ele lista algumas características que está presente na vida daquele que não possui a sabedoria dada por Deus. Inveja, sentimento faccioso, vanglória e mentira – evidências da ausência da sabedoria divina, ou sabedoria meramente humana.
Aquele que tem a sabedoria de Deus é diferente, pois antes de qualquer coisa de acordo com o v. 15 é primeiramente pura, então desemboca na vida pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e bons frutos, sem discriminação ou falsidade.
A figura desse texto, que está enfatizando a sabedoria, é o Espírito Santo de Deus. O paradoxo é sobre aqueles que têm suas vidas genuinamente mudadas pelo Espírito e aqueles que dizem que são, quando não são (lembra do joio e o trigo?).

Não há nada encoberto que não seja revelado. Falsos cristãos podem até enganar por algum tempo, mas não para sempre. O homem por si só não pode produzir algo que seja bom o suficiente para agradar a Deus.

No entanto aqueles que são regenerados e transformados pelo Espírito as obras de suas vidas são diferenciadas. Agora são regidos pelo Espírito Santo e aquilo que é santo, começa com pureza.
Se faz necessário, no dia que se chama hoje, refletirmos sobre nossa postura cristã. Cabe a você prezado irmão uma análise de sua vida, suas ações e intenções, a fim de saber se estas arraigado na verdadeira sabedoria que é o trabalhar do Espírito Santo ou na sabedoria meramente humana.

A primeira vem do céu, a segunda deriva do pecado original do homem.
Que Deus tenha Misericórdia.


5 de abr de 2011

O Cego que "Avistou" a Jesus




Por Lucas Amaral,

Embora o título desta reflexão pareça contraditório, quero falar sobre uma pessoa que não tinha visão, no entanto, pode ver mais do que os que não tinham problemas em seus olhos.

O cego na qual estou me referindo é Bartimeu e sua história está relatada em Marcos 10. Ele estava à beira do caminho e Jesus se aproximando começou a clamar por Ele com as palavras: -  “Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim”.

Ao proclamar “Filho de Davi” o cego estava afirmando que Jesus era o Messias. O Cristo que os judeus esperavam e ele por sua vez entendeu. Naquele momento creu no poder de Deus que estava sobre Jesus.
Os fariseus, mestres da lei, "teólogos" da época, não foram capazes de ver no sentido de entender que aquele era o Cristo.

Muito me preocupa em pensar que se nos dias de hoje acontecesse tal cura as pessoas as pessoas impedindo o cedo de gritar, diriam para ele colocar copo d’água em cima da TV, pegar a toalha suada, fazer uma campanha de libertação, etc... 

Assim, após a cura o ex-cego seria colocado para dar seu testemunho em diversos lugares e logo receber um cargo de pastor, apóstolo ou algo do gênero.

Que possamos estar atentos a necessidade das pessoas, que é de salvação genuína. E assim direcioná-las para o poder de Deus, suficiente para o ser humano. Infelizmente o que existe hoje, é uma busca desenfreada por milagres e maravilhas que resultam num sincretismo religioso.

E como já dizia o ditado: O pior cego é aquele que não quer ver.

Pense Nisso.

Lucas H. Amaral também era cego mas passou a enxergar através da cruz de Cristo.

4 de abr de 2011

R.R. Soares obtém passaporte especial com ajuda de Crivella. Uma mão (cheia de grana) lava a outra.


Mais uma da elite gospel brasileira.

O Senador Marcelo Crivela intermediou um pedido ao Ministério das Relações Exteriores para que liberasse um passaporte especial para o lider da Igreja Internacional da Graça de Deus, pastor Romildo Ribeiro Soares, mesmo sem o evangélico exercer qualquer tipo de atividade parlamentar. O documento foi solicitado no dia 21 de dezembro, com prazo de validade de um ano, segundo o Itamaraty.
Conhecido como R. R. Soares, o pastor é cunhado do bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus. Ambos são tios do senador Marcelo Crivella (PRB-RJ). A ficha de concessão do passaporte, como apurou a reportagem, mostra que foi Crivella quem solicitou o documento à Coordenação de Atividades Externas do Senado (Coatex). Procurado, o senador não quis dar explicações sobre o pedido. “Prefiro não comentar nenhum assunto deste tipo, prefiro que o Itamaraty comente”, disse. “Escreva aí que o senador prefere não comentar”, sugeriu.

O bispo R. R. Soares também foi procurado, mas não respondeu à ligação.
Os portadores de passaporte diplomáticos e especial recebem tratamento diferenciado nos aeroportos e alfândegas, como a dispensa da revista. Esses documentos são cedidos gratuitamente a pessoas que viajam em missão especial de alguma esfera de governo – cidadãos comuns têm de pagar R$ 156,07 para a obtenção de passaporte.

A assessoria de comunicação do Senado confirmou a intermediação na concessão do passaporte de R.R. Soares, por solicitação de Crivella. Alega que o procedimento está previsto no decreto de 4 de dezembro de 2006, sobre documentos de viagens.

Assinado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelos ministros Márcio Thomaz Bastos (Justiça) e Celso Amorim (Relações Exteriores), o decreto previa a cessão de passaporte especial a pessoas que, embora não relacionadas na lista de servidores e parlamentares ali citados, “devam portá-los em função do interesse do País”.

Ao contrário do que fez a Câmara dos Deputados, que liberou a relação de parlamentares favorecidos com passaporte diplomáticos, a lista do Senado permanece em sigilo. A única informação oficialmente divulgada é que, no último ano, foram requeridos “de 70 a 80 passaportes”.


Fonte: D24AM

Se Paulo vivesse hoje iria invejar o Soares.

Gol de mão não vale!


Desde  sexta feira, os jornais vêm relatando violentos protestos no Afeganistão, respondendo a atitude de um Pastor americano "muito doido" que anuncioou ter queimado o Alcorão. Este "ser" é o mesmo que preencheu as páginas dos jornais o ano passado ameaçando realizar tal façanha, contudo tinha adiado o "brilhante ato".

O Pastor da igreja Dove World Outreach Center, Dr. Terry Jones - que no site da igreja ser uma igreja baseada na palavra de Deus - tem mostrado não apenas aos irritados mulçumanos, mas ao mundo, uma forma de cristianismo radical e "descabeçado", um cristianismo que busca apresentar a verdade, da mesma forma que os movimentos radicais terroristas o fazem - violentamente!

A atitude de queimar o livro considerado sagrado para os mulçumanos apesar de parecer uma defesa da fé cristã heróica, na verdade é uma grande contradição com a mesma. Semelhante erro aconteceu no passado nas épocas das cruzadas, que na verdade tratavam da reconquista de Jerusalém através da guerra, ou seja, violencia pagando violencia, quando o ensino Cristo é através do amor, exemplo e padecer por amor aos outros [ou então não sei mais o que é dar a outra face].

Entendendo bem esta mensagem, Francisco de Assis, dirigiu-se ao sultão Al-Kamil, na primeira cruzada, com a mensagem da verdade do evangelho - pacificamente! É certo que de vez enquando nos indignamos que nem todos do mundo conheçam a verdade da salvação em Cristo Jesus, contudo não podemos enfiá-la "guela a baixo" como fazem alguns - cultivando o ódio não só dos bibliotecarios - isto só nos afastará de conseguir pregar a estas nações e povos, e assim, envergonharemos o evangelho, uma vez que tornamos possível as pessoas o considerarem apenas mais um movimento fanático religioso - quando na verdade são as boas novas de salvação!

Ao invés de conter o avanço do Islã, que é notório nestas últimas décadas, através do antigo "Big Stick" americano, façamos como Jesus disse: Indo e pregando o evangelho a toda criatura (Marcos 16.15).



Kenji Lobo Komatsu, estudante de Teologia e o mais novo "pensador" do blog.

2 de abr de 2011

Porque eu Odeio Religião


Uma reflexão aos nossos leitores, afinal de contas: Crer é também pensar.

Renato Rangel